Domingo, 20 de Abril de 2014

| Voltar |

Central de Notícias - História da joalheria

Chica da Silva: a escrava que se fez rainha



Desenho de Chica da Silva


Ela foi e ainda é a escrava mais conhecida do Brasil.
Ganhou minisséries na TV brasileira, músicas, filme, destaque em livros de história do Brasil, poemas...

Chica da Silva era, na verdade, Francisca da Silva de Oliveira. A escrava que revolucionou toda uma época com sua mudança radical de escrava para mulher de um contratador de diamantes, João Fernandes de Oliveira, cuja fortuna era descrita popularmente como sendo maior do que a do rei de Portugal. O prestígio do dinheiro dava-lhe um poder de soberano e todos se curvavam aos seus pés.

Conhecida como a escrava que se fez rainha, Chica da Silva era escrava do padre Rollim e foi alforriada a pedido do contratador. Era uma mulata escura, de lábios grossos e nariz chato, feições grosseiras, alta e corpulenta. Nada na sua figura lembrava as graças femininas que, em geral, atraem os homens.
Mesmo assim, durante muitos anos Chica soube manter o mais absoluto domínio sobre o coração do desembargador e, conseqüentemente, sobre o Tijuco. Foi a mulher mais extravagante e bizarra que viveu no Brasil na época de Pombal. Dominando o contratador, dominava o Tijuco como uma rainha e cada desejo seu, por mais extravagante que fosse, era imediatamente realizado.

Chica da Silva era uma mulher cheia de caprichos, as roupas ela mandava fazer com os mais caros tecidos e suas jóias eram as mais preciosas de que se tinha notícia. Tudo que de melhor havia era para ela.

Naquele tempo o preconceito de cor era profundo e terrível. Em muitas igrejas só gente branca entrava. Mas, nas do Tijuco, o lugar de honra era de Chica. Só comparecia às grandes solenidades, rutilantemente vestida e acompanhada por doze lindas mulatas trajadas de seda que lhe seguravam a cauda do vestido espalhafatoso.

Para que mostrasse o quanto tinha vencido na vida, ela não hesitava em usar milhares de jóias ao mesmo tempo. Diziam que se via Chica ao longe, pelo brilho que ela transmitia por onde quer que fosse.


Leia também

Chico Rei: de escravo a dono de mina de ouro

O quinto e o santo do pau oco

Fonte: Da Redação

Publicada em 09/01/2009

mais notícias sobre História da joalheria >>

Outras Notícias?
Escolha o Canal:


© Copyright 2009 InfoJoia | Desenvolvido por 3N Design